Vento de outubro (poesia

Compartilhe:

 

Sobretudo quando o vento de outubro

Castiga-me os cabelos com álgidos dedos,

E eu, subjugado pelo sol, caminho entre as chamas

E deito uma garra sombria sobre a terra,

Junto à orla do mar, ouvindo o ruído dos pássaros

E a tosse do corvo nos ramos do inverno,

É que estreme o meu convulso coração quando ela fala

E verte o sangue silábico, ou então se cala.

 

Autor: Dylan Thomas (apenas, a primeira estrofe)

 

 

….

 

 

Compartilhe: