A minha rua

A minha rua em Ariquemes, não é propriamente, uma rua. Não sei a origem, de verdade, mas,  chama “alameda” Piquiá.[…]

EM PARALELO (Poesia)

Os pássaros voavam em reserva As cobras se arrastavam quase voando no calor da terra Os humanos listrados de zebra[…]

Vento de outubro (poesia

  Sobretudo quando o vento de outubro Castiga-me os cabelos com álgidos dedos, E eu, subjugado pelo sol, caminho entre[…]

A ciática

Fui visitar o grande amigo Célio, lá no Espigão do Oeste. Estas conversas, comumente faladas, em tempos de campanhas, como[…]

Poema para Tia Mourinha

autora: Vanda Moura (é minha irmã – o poema foi declamado no velório da nossa última tia, parte de pai,[…]

Alusões

À frente as helicônias abrem seus braços vermelhos O outono bate diferente sobre o abril tingido de azul nítido Lá[…]

As lições de R.Q

  Aprendi com Rômulo Quiroga (um pintor boliviano) A expressão “reta não sonha”. Não use o traço acostumado. A força[…]