Poema para Tia Mourinha

Compartilhe:

autora: Vanda Moura (é minha irmã – o poema foi declamado no velório da nossa última tia, parte de pai, dia 9 de agosto passado, velório no cemitério Jardim das Palmeiras – Goiânia)

 

Porque estás triste

Passarinho?

Aí sozinho

acabrunhado…

Já a boca da noite,

de costas

para os últimos

raios de sol?

 

Eu entendo

É difícil sim.

Alçar voo

para este mundo sem fim..

 

Deixar para trás

seus amados

sem saber

para onde vais…

 

Levante a cabeça

e cante

logo raiará o dia

e noutras paragens

há luz

 

Você cantará

de novo…

Compartilhe: