Descanso (poesia)

Compartilhe:

Eu descanso quando me deixo levar pelo olhar no horizonte nebuloso

Eu descanso andando sozinho e devagar concentrado nos movimentos dos pés e das mãos

Eu descanso olhando de cima os cortes na Serra dos Pacaás Novos onde bichos nobres e raros preferem viver

Eu descanso quando beijo efusivamente, imaginando o prazer do macaco aranha na loca da pedra luminosa

Eu descanso ouvindo a chuva fina no telhado e as águas plumosas da cachoeira de todos os beirais

Eu descanso olhando a imensidão verde da reserva dos índios urus

Eu descanso quando começo a viajar dentro de mim mesmo em busca do amor, energia que une e justifica

Eu descanso quando não me vejo mais.

Fevereiro de 2018 (Confúcio).

 

 

Compartilhe: